Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Ceará lista erros de "vergonhosa" arbitragem e reclama em nota oficial

Fortaleza (CE)

A eliminação amargada em casa diante do Botafogo, na última quarta-feira, deve repercutir por muito tempo no Ceará. Em nota oficial divulgada nesta quinta, a diretoria alvinegra repudia incisivamente a arbitragem que atuou na derrota por 4 a 3 que tirou o Vozão da Copa do Brasil. Classificando as decisões de Emerson de Almeida Ferreira como “vergonhosas”, a equipe alvinegra cobra a CBF para que o profissional não atue mais em seus jogos.

“É lamentável ver um trabalho, que foi feito com tanto esforço, ser ignorado e jogado fora por decisões equivocadas de um trio de arbitragem”, dispara o presidente Robinson Passos de Castro e Silva. “Os erros da arbitragem foram determinantes para a desclassificação do Ceará na Copa do Brasil. Lamento que, enquanto os clubes procuram atingir um nível de excelência em suas gestões, o mesmo não se pode dizer de diversos setores do futebol, sobretudo da arbitragem.”

O clube alega que o árbitro inverteu faltas “nos dois tempos de jogo”, chama atenção para o gol de Magno Alves equivocadamente anulado aos oito do segundo tempo e reclama de pênalti “surpreendentemente” não marcado pouco depois, quando Júnior César tocou com a mão na bola dentro de sua área.

Mas é a “curiosa atitude” do árbitro nos minutos finais do confronto que angaria o maior destaque do comunicado oficial. O clube lembra que Emerson de Almeida acresceu quatro minutos ao segundo tempo, mas não terminou a partida aos 49, permitindo que André Bahia eliminasse o Ceará da Copa do Brasil. Para que a situação não se repita, o Alvinegro promete entrar com representação na CBF para que o árbitro não apite mais em suas partidas.

Confira abaixo o comunicado divulgado pelo Vozão:

O Ceará Sporting Club, através da sua presidência e demais diretorias do futebol profissional, avaliando a arbitragem do jogo desta quarta-feira, 03/09, entre Ceará 3 x 4 Botafogo/RJ, repudia os erros cometidos na partida pelo árbitro Emerson de Almeida Ferreira/MG, chancelado pela Confederação Brasileira de Futebol, e seus assistentes, que resultaram, ao final do jogo, na eliminação da agremiação cearense da Copa do Brasil 2014.

O Ceará S.C classificou como vergonhosa a forma como o senhor Emerson Ferreira conduziu a partida.

Além das inversões de faltas ofertadas pela arbitragem nos dois tempos de jogo, nosso repúdio se baseia nos seguintes fatos: Aos 8 minutos do segundo tempo, o atleta Ricardinho lança bola para Magno Alves, atacante do Ceará S.C, que conserva posição legal em campo (livre de impedimento), conclui a jogada, resultando em gol. O assistente Pablo Almeida da Costa/MG, erradamente, assinala posição de impedimento e o gol é anulado equivocadamente pelo árbitro da partida.

O segundo erro e, desta vez, mais grosseiro, ocorreu aos 13 minutos da segunda etapa da partida, quando o atleta da equipe Botafogo F.R, Júnior César, toca a bola com a mão dentro da área e o árbitro do jogo, surpreendentemente, não assinala a penalidade máxima em favor do Ceará.

O terceiro e último erro declarado nesta nota de repúdio se dá na curiosa atitude do senhor Emerson Ferreira nos minutos finais da partida. Foi acrescido ao jogo o tempo adicional de quatro minutos; com apito final programado para 49 minutos. Aos 48 minutos e vinte e um segundos, a equipe do Botafogo F.R empatou a partida em 3 a 3. Este placar ainda garantia a classificação do Ceará S.C.

Após o gol, o jogo recomeça aos 49 minutos e 11 segundos. O árbitro não determina o final da partida e o jogo segue. É fundamental lembrar que em nenhum momento o mineiro sinalizou para nenhum de seus assistentes um acréscimo no tempo adicional. Aos 49 minutos e 42 segundos, o Botafogo assinala mais um gol, virando o placar para 4 a 3. O jogo é recomeçado, a partida é finalizada aos 51 minutos e 11 segundos e o Ceará S.C é desclassificado da Copa do Brasil 2014.

Na súmula do jogo, Emerson Ferreira descreveu que os dois últimos gols da equipe carioca foram marcados aos: 90+3 e 90+4, porém, esta cronometragem é contestada, pois, não havendo motivos para novos acréscimos, a partida deveria se encerrar aos 49 minutos.