Futebol/Copa Sul-americana - ( )

De volta, quarteto é esperança do São Paulo para vencer de novo

São Paulo (SP)

A escolha de Muricy Ramalho de escalar nesta quinta-feira o que tem de melhor à disposição, em especial o quarteto ofensivo titular, não foi à toa. Pressionado pelo risco de nova eliminação, que seria a quarta em um ano, o treinador do São Paulo desistiu da ideia de poupar jogadores e confirmou Ganso, Kaká, Pato e Kardec para o duelo decisivo contra o Criciúma, no Morumbi.

Com os quatro em campo, o rendimento da equipe vinha sendo muito positivo. Na última vez em que todos eles atuaram, o time venceu o Santos por 2 a 1, com gols de Ganso e Pato. Na partida seguinte (a estreia na Copa Sul-americana, contra o Criciúma, em Santa Catarina), o quarteto foi desfeito - por opção do treinador, que preferiu priorizar o Campeonato Brasileiro -, e o time perdeu por 2 a 1. Em seguida, sem Ganso e Pato, suspensos, o resultado foi um empate por 1 a 1 com o Figueirense.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Alan Kardec, um dos quatro do sistema ofensivo, não jogou na ida, contudo já enfrentou Criciúma
Nesta quinta-feira, quando será preciso vencer (por 1 a 0 ou por dois ou mais gols de diferença, caso também seja vazado) para avançar às oitavas de final do torneio continental, eles estarão novamente juntos.

"Nosso dia a dia tem sido muito amigável fora de campo, com companheirismo, nas concentrações também. Quando se leva isso para o campo, é natural que o entrosamento aconteça", justificou Kardec, antes de lembrar, no entanto, que a equipe não pode ficar refém dele e dos outros três jogadores da frente.

"São jogadores de qualidade, que conseguiram fazer uma sequência boa de partidas, mas temos inúmeros jogos, e nem todos do quarteto estarão presente em todos", alertou.

Em breve, Luis Fabiano se tornará uma opção a mais de qualidade para revezar com Kardec ou Pato. Por conta de lesão na coxa direita, o artilheiro do time no ano não atua há mais de dois meses, mas já tem treinado com o grupo. Quando voltar a ficar à disposição em definitivo, a concorrência aumentará.

"Quem ganha com isso é o grupo", minimizou Kardec. "Quando todos estiverem, a escolha do Muricy vai ser em prol do grupo, do benefício geral. Não sabemos o que vai acontecer, mas eu estarei lutando. Mas, independentemente de quem estiver, tem que respeitar o companheiro, apesar de todos quererem jogar", comentou o atual titular.

Será ele o comandante do ataque são-paulino nesta quinta-feira, a partir de 20 horas (de Brasília). Poupado no jogo de ida, a exemplo de Kaká, Kardec terá parte da responsabilidade de fazer os gols que a equipe necessita para passar pelo Criciúma e continuar vivo nas duas competições que disputa simultaneamente.