Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Em partida emocionante, Botafogo elimina o Ceará com reação no final

Fortaleza (CE)

O Ceará vencia por 3 a 2,e a torcida já festejava a vaga, quando o Botafogo reagiu de forma heroica, marcou dois gols nos acréscimos e venceu por 4 a 3, garantindo a classificação para a próxima fase da Copa do Brasil. No jogo emocionante, disputado na noite desta quarta-feira, no Castelão, o Alvinegro conseguiu superar todos os problemas para conseguir o resultado que interessava.

Agora o Alvinegro carioca vai enfrentar o Santos que se classificou para a próxima fase, beneficiado pela exclusão do Grêmio, eliminado pelo STJD por causa das acusações de atos de racismo.

O Botafogo cometeu muitos erros durante a partida e ainda teve a infelicidade de perder o meia Daniel, ainda no primeiro tempo, o que enfraqueceu o poderio técnico da equipe dirigida por Vagner Mancini, mas mesmo assim não perdeu o entusiasmo. O Ceará esteve melhor durante a maior parte do tempo, mas se descuidou nos minutos finais e acabou castigado.

Na segunda etapa, a partida ficou interrompida durante 25 minutos por falta de energia elétrica.

O jogo - O Botafogo começou nervoso e logo aos quatro minutos, Emerson Sheik foi advertido com o cartão amarelo por reclamar acintosamente com o árbitro, depois de sofrer uma falta que havia sido marcada. Na cobrança, Edilson bateu forte e a bola passou perto da trave esquerda da equipe da casa.

Empurrado pela torcida, o Ceará passou a pressionar e, aos sete minutos, Magno Alves fez boa jogada e lançou Eduardo pelo meio, mas o chute saiu fraco e facilitou a defesa de Andrey.

Jarbas Oliveira/VIPCOMM
O Botafogo foi buscar a virada com dois gols já nos acréscimos do segundo tempo, calando o Castelão
Dois minutos depois, Vicente investiu pela esquerda e cruzou para Nikão na pequena área, mas o goleiro Andrey saiu para dividir e evitou a conclusão do atacante cearense. A pressão continuou e, aos dez minutos, Eduardo chutou forte e a bola assustou o goleiro da equipe carioca.

Mesmo encontrando encontrava dificuldade para se livrar da marcação da equipe nordestina, o Botafogo tentava explorar os lançamentos para Wallyson e Emerson.

Aos 15 minutos, o Botafogo marcou o primeiro gol. Wallyson foi derrubado na entrada da área. Edilson bateu com categoria e colocou no ângulo direito de Jailson que pulou e não achou nada. Logo depois, Daniel sofreu uma lesão e foi substituído por Yuri Mamute.

O Ceará nem deixou o Botafogo desfrutar da vantagem por muito tempo. Aos 20 minutos, Magno Alves recebeu nas costas de Bolívar e cruzou para Bill tocar, sem chances, para o goleiro Andrey.

Jarbas Oliveira/VIPCOMM
A partida de sete gols ficou marcado pelo equilíbrio entre os dois lados
Embalado por ter alcançado a igualdade, a equipe da casa seguiu pressionando e acabou chegando ao segundo gol, aos 26 minutos. Magno Alves cobrando pênalti cometido por Yuri Mamute sobre o lateral-esquerdo Vicente.

Depois de assegurar a vantagem, o Ceará passou a administrar a partida, tocando a bola para impedir que o Botafogo desse velocidade ao jogo. Aos 33 minutos, Magno Alves chutou cruzado e acertou a rede pelo lado de fora, o que irritou o atacante Bill que esperava o passe na pequena área.

A troca forçada de Daniel por Yuri Mamute foi muito ruim para o Botafogo, porque Mamute, depois de cometer o pênalti, ficou inteiramente perdido em campo, cometendo faltas e não dando prosseguimento às jogadas ofensivas.

Aos 39 minutos, os jogadores do Botafogo pediram a marcação de uma penalidade máxima quando Vicente derrubou Emerson Sheik quando tentou desarmá-lo na grande área, mas a arbitragem nada marcou, gerando revolta na equipe carioca.

Aos 46 minutos, Edilson cruzou para a área e Yuri Mamute, sem qualquer marcação, mergulhou para tocar de cabeça e colocar a bola nas redes de Jailson, decretando o empate no final do primeiro tempo.

Jarbas Oliveira/VIPCOMM
Depois de vencer no Rio de Janeiro, o Ceará decepcionou o seu torcedor
Precisando de um gol para garantir a classificação, o Botafogo voltou para o segundo tempo mais agressivo. O Ceará, por sua vez, se mostrava cauteloso, não querendo se arriscar muito para não dar espaços ao adversário. O primeiro chute foi desferido por Emerson, de fora da área, apanhando rebote da zaga cearense, mas a bola passou longe do gol de Jailson.

Aos nove minutos, Magno Alves recebeu em condição legal e colocou a bola nas redes, mas o assistente, erradamente, anulou o gol do Ceará.

Aos dez minutos, deu pane na iluminação do Castelão e a partida foi interrompida. 25 minutos depois, a situação foi normalizada, e o jogo foi reiniciado.

Aos 13 minutos, Junior Cesar meteu a mão na bola dentro da área e o árbitro nada marcou, para irritação da torcida cearense.

Numa tentativa de aumentar o poder ofensivo da equipe carioca, o técnico Vagner Mancini trocou o volante Bolatti pelo atacante Ferreyra.

Aos 30 minutos, o Ceará marcou o terceiro gol. O goleiro Andrey saiu para rebater a bola e chutou mal. A bola acabou nos pés de Bill que observou a colocação do goleiro e colocou com categoria no canto esquerdo.

Depois de assegurar a vantagem, o Ceará adotou uma posição defensiva para conter a pressão do adversário. O Alvinegro carioca precisava de dois gols para conseguir virar o jogo e conseguiu o milagre. Ramírez empatou aos 48 minutos, e André Bahia, com uma bomba de fora da área, acertou o ângulo de Jailson aos 50 minutos, garantindo a classificação histórica.