Bela quarta!

Foto: AFP

Foto: AFP

Foi uma quarta-feira especial pra quem respira o mundo da bola. No começo da tarde, show de Messi e uma vitória decisiva do Barcelona sobre o Real Madrid no campo do rival. Sempre bom ver o time catalão em campo; melhor ainda conferir a capacidade desse argentino que, não por acaso, é o melhor do mundo. O segundo gol contra o Real é pra gravar e rever, rever, rever…

À noite, pela Libertadores, a nossa Copa dos Campeões, o show foi do Cruzeiro. Dono da melhor campanha do torneio o time mineiro ratificou a condição de melhor time do Brasil ao bater o Once Caldas, na Colômbia, por 2 a 1. Belo trabalho faz o Cuca em Minas. A classificação está muito bem encaminhada.

O Santos também venceu. Não foi um placar capaz de garantir um sono tranquilo, mas não foi ruim. Se fizer um gol no México, a vaga deve pintar numa boa afinal, o América, nesta situação, terá de fazer três.

Copa do Brasil

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

O São Paulo também venceu apertado. Dagoberto, em grande fase, marcou mais uma vez e garantiu o Tricolor na próxima fase. Encara o Avaí de Silas na condição de favorito.

O Flamengo se redimiu e espantou a zebra ao golear o Horizonte no Ceará. E falando em Ceará, o Vozão encara o Mengão, graças à ajuda do goleiro Leandro do Prudente que engoliu um frango gigante.

O Vasco não saiu do zero diante do Náutico e nem precisava. Agora encara o Atlético Paranaense. Um belo confronto pelas quartas-de-final.

Grandes avançam sem brilho

Estive no Pacaembu onde narrei a vitória do Palmeiras sobre o Mirassol e não sai empolgado. Os pupilos de Felipão jogam de maneira organizada, venceram, mas não brilharam. Mesmo com um homem a mais desde os 13 minutos do segundo tempo, quando Xuxa, injustamente, foi expulso, o Verdão não se impôs como se esperava e ainda tomou sufoco de um apenas esforçado Mirassol.

Antes havia acompanhado pela TV o São Paulo que chegou ao segundo gol no momento em que a Lusa – melhor no jogo – mais pressionava. De qualquer forma, foi o time que venceu com placar mais elástico, diferentemente dos rivais.

No sábado, o Santos suou pra vencer a Ponte Preta assim como o Corinthians no Pacaembu diante do Oeste.

Agora é esperar pelas semifinais e, diga-se de passagem, de difícil prognóstico. O equilibrio prevalece nos dois confrontos.

Foi pouco!

Mesmo com um homem a mais desde os 22 minutos, quando Felipe Amorim foi expulso, o São Paulo só conseguiu marcar no segundo tempo, num chute de longe de Dagoberto. Uma oportunidade de ouro foi desperdiçada pelo Tricolor que poderia ter definido a classificação em Goiânia. Agora joga por um empate no Morumbi.

Atlético e Avaí se garantem

O Furacão não perdoou o Bahia na Arena da Baixada e garantiu a vaga com contundência: 5 a 0. Outro time do Sul que se deu bem foi o Avaí que arrancou o empate do Botafogo nos acréscimos em jogo marcado pela briga generalizada entre atletas dos dois times. El Loco Abreu iniciou a confusão quando correu atrás de Marquinhos. Os dois trocaram socos e essa foi a deixa para a pancadaria. Todos os envolvidos, em especial Abreu, merecem uma bela punição. Decepcionante também foi o empate do Flamengo com o surpreendente Horizonte do Ceará.

Foto: Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

Foto: Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

Fluminense heróico

O Fluminense está se especializando em submeter seus torcedores ao sofrimento extremo. Ainda bem que a alegria tem prevalecido no final. O gol da classificação só foi marcado ao 42 do segundo tempo num pênalti cobrado por Fred. Após o jogo a pancadaria rolou solta, pena que a Conmebol não se importe com isso. O Flu vai forte para as oitavas.

Assim como o Santos que renasceu depois de um início ruim. Fez bonito diante do Deportivo Táchira e agora começa vida nova na Libertadores. A impressão é de que o pior já passou e o time vai com moral para o mata-mata contra o América do México.

Enfim começa o Paulistão

Foto: Fernando Dantas/ Gazeta Press

Enfim começa o Campeonato Paulista. Depois de 19 rodadas arrastadas, vamos ao que interessa. No sábado, Santos e Corinthians tentam a sorte contra Ponte Preta e Oeste respectivamente. O Peixe tem o jogo mais difícil, uma vez que a Ponte venceu todos os grandes, exceção feita ao próprio Santos, na fase de classificação. Teoricamente, o Oeste deve oferecer menos resistência ao Corinthians, no Pacaembu.

No domingo conheceremos os outros dois semifinalistas. Parada dura tem o São Paulo que pega uma Portuguesa revigorada, de volta à uma fase decisiva depois de 12 anos. Se a Lusa não é sombra do que já foi no passado, o jogo ainda tem status de clássico e é o mais equilibrado dessas quartas-de-final. Ainda assim, o Tricolor é o favorito. Mais favorito então é o Palmeiras contra o Mirassol. Não comungo com a intuição de Tite de que um grande vai ficar de fora das semifinais. Acredito que os donos das melhores campanhas na fase de classificação também  serão os protagonistas da próxima fase.

Quanto ao regulamento, só nos resta lamentar. Que o Rio de Janeiro sirva de exemplo para os próximos torneios regionais.

Verdão perto da vaga

O favorito venceu e Kléber foi o principal destaque da vitória do Palmeiras sobre o Santo André. O “Gladiador” perdeu dois pênaltis, mas com valentia e muita sorte conseguiu marcar os gols que deixaram o Verdão  perto das quartas-de-final da Copa do Brasil. O gol do zagueiro Anderson, no final da partida, assustou porém não coloca em risco a classificação. Pra eliminar o Palmeiras, o Santo André precisa de uma vitória por dois gols de diferença. Quem acredita?

Vasco faz bonito

Se o Palmeiras está perto, o que dizer do Vasco? Os 3 a 0 sobre o Náutico, no Recife, não deixam dúvidas sobre a classificação. Feio fez o Botafogo que quase perdeu do Avai no Rio de Janeiro. Diante das circunstãncias, o empate tem sabor de vitória, embora não crie ilusões. O duelo entre Atlético Paranaense e Bahia segue aberto. A decisão é em Curitiba.

Falcão está de volta

O Rei de Roma, como era conhecido na época de jogador, brilhou como atleta em clubes como o próprio Internacional, na Roma e na Seleção Brasileira – em especial no inesquecível time dirigido por Telê Santana em 82. Falcão foi dono de um futebol refinado e quem viu jamais vai esquecer.

Como técnico, ele não teve o mesmo brilho de quando atleta ou como comentarista, função que exerceu nos últimos anos na Rede Globo de Televisão. Assim como Dunga, começou na Seleção Brasileira e foi demitido depois do vice-campeonato da Copa América. Não lhe deram o tempo que merecia. Títulos, só no América do México; dois, na verdade, sendo um deles continental.

E foi pensando no título continental que o Inter resgatou Falcão depois de 18 anos. Uma incógnita! Futebol, todos nós sabemos que ele conhece, mas deve levar um tempo pra readquirir a velha forma que só vem mesmo com a rotina de treinamentos. Sim, treinador também enferruja. Nada que o tempo não resolva. Cabe à diretoria que o contratou ter a tolerância necessária para implantação de um trabalho. Vale a aposta!

Enfim, Muricy é do Santos

O presidente Luis Álvaro fez quase o impossível pra convencer Muricy Ramalho a trabalhar no Santos e foi feliz na empreitada. A contratação do treinador é o grande trunfo da diretoria do clube pra salvar o semestre. O time está em quarto lugar no Paulistão e corre sério risco de não passar da primeira fase da Libertadores da América, uma decepção de grandes proporções se considerarmos que o Peixe sempre esteve entre os mais cotados para conquistar o título.

Muricy, pelo que apresentou nos últimos anos, tem tudo pra fazer um belo trabalho no Santos. Tem a competência necessária pra montar um time campeão e, o mais importante, conta com bons jogadores pra encarar as disputas que terá pela frente, especialmente o Brasileirão.

Apesar do risco na Libertadores, o comando da equipe contra o Colo Colo ainda será do interino Marcelo Martelotte. Muricy deve estrear domingo, contra o Americana.