Volta promissora

Fernando Dantas/Gazeta Press

Adriano era o centro das atenções. Desde que fora contratado pelo Corinthians, nunca ele esteve em melhor forma. Começou como titular e com expectativa de jogar 90 minutos. Logo aos três minutos, Alex errou o chute, a bola sobrou para o Imperador marcar. A comemoração foi digna de uma final de Copa do Mundo. Praticamente o time inteiro foi abraçá-lo. Depois, ele se dirigiu ao banco de reservas onde ganhou novos e efusivos abraços.

E foi com Adriano que o Corinthians teve as melhores chances no jogo. Um cabeceio do atacante, ainda no primeiro tempo, passou rente à trave. E no segundo tempo, Adriano teve mais uma bela oportunidade, mas não conseguiu acertar o alvo. De qualquer forma, é positiva a volta do Imperador. Ótima opção ofensiva para o econômico time de Tite. Se bem que nunca é demais ressaltar. Enquanto o ataque é econômico, a defesa é quase uma muralha. Não por acaso o Corinthians é o líder do Paulistão.

O Santos está chegando

Com Neymar e Paulo Henrique Ganso em campo, raramente há economia. Pior para a Ponte. O Santos gastou o que pode e aplicou a maior goleada do campeonato: 6 a 1. O time já está em terceiro e, pela primeira vez neste ano, mostra que pode repetir os feitos do primeiro semestre de 2011, quando ganhou o Paulista e a Libertadores.

Líder, por enquanto.

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

O mando era da Portuguesa; mas a casa, corintiana. E assim, como verdadeiro anfitrião, o Corinthians mandou no jogo, especialmente na primeira etapa quando fez um a zero; e poderia ter feito mais, não fosse o goleiro Weverton.

No segundo tempo, o Corinthians se fechou mais, chamou a Portuguesa na esperança de matar o jogo no contra-ataque e conseguiu aos 33 minutos quando Ramirez fez o segundo. Vale destacar que William, o melhor da partida, estava impedido quando recebeu do meia peruano e cruzou pra área.

Liedson também jogou bem. Esteve perto do gol, mas ainda não foi dessa vez. Para o corintiano, o que importa mesmo é a liderança, assegurada pelo menos até o jogo do Palmeiras, logo mais, contra o Oeste.

Show de gols em Bragança

Era um absurdo um time com mais de 70% de posse de bola estar perdendo por dois a zero. Ainda no primeiro tempo, entretanto, o São Paulo tratou de fazer justiça e chegou à igualdade com o Bragantino. Ficou melhor na segunda etapa quando virou o jogo com Cícero, mas num vacilo na saída de bola de Piris, o Braga empatou de novo. E assim ficou: 3 a 3. O empate deixou o Tricolor na quinta posição, agora atrás do Santos.

Empate com sabor de vitória

Foto: AFP

Foto: AFP

O Corinthians até que começou bem o jogo. Ditava o ritmo da partida, marcava no campo de ataque… Parecia em casa. Até que Chicão tentou tirar depois de uma cobrança de lateral, a bola bateu em Herrera e entrou. O gol do time venezuelano abalou o time corintiano que pouco produziu na parte final da primeira etapa.

No segundo tempo, o Corinthians recuperou a posse de bola mas não conseguiu transformar esse domínio em jogadas mais agudas. Pior foi o susto quando Chourio, em impedimento, marcou para o Táchira. A jogada, difícil para o auxiliar, já havia sido impugnada antes mesmo do chute. Ainda assim, o Corinthians, mesmo sem criatividade, continuou pressionando na base da vontade e chegou ao empate no último segundo com Ralf, de cabeça.

Estreia com cara de Corinthians!

Corinthians foi melhor

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

Corinthians e São Paulo fizeram no Pacaembu um jogo à altura da rivalidade, a maior do Estado neste momento.

O time dirigido por Émerson Leão começou nervoso. Com menos de dez minutos, Wellington e Cícero, justamente, já haviam recebido cartões amarelos. O conjunto corintiano, mais acertado, foi se impondo aos poucos e abriu o placar com Danilo de cabeça, aos 21 minutos, após cobrança de escanteio de Jorge Henrique.

Apesar do domínio corintiano na maior parte do primeiro tempo, o São Paulo teve a chance de empatar
aos 44, em pênalti que Jadson mandou pra longe.

Na segunda etapa, menos de um minuto depois de Leão fazer três alterações de uma só vez, João Filipe – descontrolado – fez uma falta sem bola no Jorge Henrique, recebeu o vermelho e atrapalhou os planos do treinador.

Do outro lado, em tarde inspirada de Jorge Henrique e de Danilo, o Corinthians só administrou e venceu com mérito.

Barcos: perfil de ídolo

Foto:Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

Narrei Palmeiras e Ituano, sábado, para o Mesa Redonda e fiquei surpreso com a atuação de Hernán Barcos. O argentino parecia jogar no time há muito tempo de tão à vontade que ficou.

Marcou gol, reclamou dos colegas que erraram passes, pediu a bola com veemência. Com a bola nos pés,
mostrou habilidade, boa visão de jogo e faro de gol. Tem o perfil do ídolo. O tempo dirá!

Novo líder

Foto: Gaspar Nóbrega/Vipcomm

Foto: Gaspar Nóbrega/Vipcomm

O São Paulo foi o maior vencedor da quinta rodada do Campeonato Paulista. A boa vitória diante da Ponte em Campinas deixou o Tricolor na ponta, graças ao eficiente ataque armado por Émerson Leão. Os 13 gols marcados na competição garantem a vantagem sobre o Paulista, vice-líder, e com o mesmo saldo do São Paulo.

Pior para o Corinthians que tem 13 pontos assim como Paulista e São Paulo, mas caiu para terceiro por causa do baixo saldo de gols. No empate contra o Bragantino o time voltou a jogar mal e não fez por merecer melhor sorte.

Virada inesperada

Em Presidente Prudente, tudo estava encaminhado para uma festa santista. O time vencia por um a zero, gol de Neymar – o centésimo dele pelo clube – até que aos 44 do segundo tempo, como sempre na bola parada de Marcos Assunção, após cobrança de escanteio, Fernandão botou a cabeça na bola pra deixar tudo igual. E aos 46, Juninho contou com a sorte pra garantir a virada. O chute fraco e na direção do goleiro foi desviado por Maranhão e morreu no fundo do gol santista. O Palmeiras já é o quarto colocado.

Marcos Assunção decide

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

O Palmeiras passou pelo Mogi Mirim com sua mais poderosa arma: a precisão de Marcos Assunção. Dois chutes certeiros, em cobranças de falta, garantiram ao Palestra a segunda vitória no campeonato. Assunção, já há algum tempo, é o melhor cobrador de faltas do país. Trata-se de uma arma e tanto, mas não pode ser a única. Não por acaso, boa parte da torcida palmeirense vaiou o time em alguns momentos do jogo do Pacaembu.

Corinthians 100%
Novamente o Corinthians esteve longe de ser brilhante. Jogou para o gasto em Itu, o suficiente pra manter os 100% de aproveitamento no Paulistão. As quatro vitórias neste inicio servem pra dar confiança à equipe que tem como foco a Libertadores da América.
Está no caminho certo.

Inter e Flamengo avançam
Inter e Flamengo se garantiram, sem grandes dificuldades, na fase de grupos da Libertadores. D`Alessandro se destacou na batalha de Manizales, contra o Once Caldas, enquanto Ronaldinho fez a diferença diante do fraco Real Potosí.
Apesar da classificação, Luxemburgo está deixando o comando técnico da equipe. A direção do Flamengo, inclusive, teria avisado os jogadores, antes da partida, de que Joel Santana será o novo treinador. Atitude que revela a falta de profissionalismo dos dirigentes do clube.