Pela força do povão, começou a reação

Fernando Dantas/Gazeta Press

Fernando Dantas/Gazeta Press

Foi lindo. Como em toda partida em que o a torcida participa o resultado foi espetacular. O Palmeiras foi a campo reforçado – e como! – pela paixão de sua gente.

Já chegando ao Pacaembu se percebia um clima de extrema confiança. Velhos conselheiros caminhavam entre garotos e garotas da jovem geração palmeirense e se abraçavam aos gritos de vitória. Eu ví eufóricos nônos e empolgados jovens trazendo na face risonha uma dose farta de energia para oferecer aos craques no gramado.

Creiam, foi essa fôrça que rolou pelos degraus e foi, com certeza, incendiar o time palestrino na sua arrancada rumo a uma vitória marcada por extrema aplicação.

Derrotar o Sport foi um trabalho nada fácil. Até os 7 do segundo tempo, a procura do gol encontrava grande resistência do time pernambucano. A dificuldade prosseguiu mesmo após o golaço de Correa. Ainda soavam os bordões nas arquibancadas quando Rivaldo igualou.

Incrível como o empate caiu mais como estímulo do que choque. Nem aí, o povão seguiu fazendo jorrar para seus craques a força que cada fanático tinha para oferecer.

Não podia acontecer nada diferente. Impossível – nessa mistura de calor humano, raça e futebol com generosa aplicação – não alcançar os tres pontos que fariam o Palmeiras saltar sobre dois concorrentes diretos desta hora – Figueirense e o próprio Sport.

Agora, com tamanho apôio partindo de sua torcida, não dá para interromper uma reação em alta dose.
O povão palmeirense decidiu que era hora de reagir. O Verdão entendeu e ganhou a primeira. Precisa continuar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>