Décima maravilhosa segunda rodada

As estrelas brilharam. O que falar de uma rodada onde tudo deu certo para aqueles que são e já foram promessas brasileiras.

A décima segunda rodada do Brasileirão foi espetacular. Sem dúvida a melhor  do ano e com uma partida histórica. Santos x Flamengo.

Melhor do que Copa América, Estadual e Libertadores. Ontem o Campeonato Brasileiro fez jus ao nome. Brasileiro jogador, driblador e goleador.

Um virada histórica com tudo o que o futebol pode nos proporcionar. Neymar e Ronaldinho Gaúcho brincaram com a bola e mostraram que ainda existe espetáculo em campo. Tenho que certeza que hoje muitos apaixonados pelo futebol acordaram ansiosos para a próxima rodada, e eu sou um deles.

Atlético MG e Dorival Jr., respiraram um pouco. André, depois de um tempo longe do futebol brasileiro, estreou no Galo e salvou o time de mais uma derrota.

Palmeiras eficiente, no melhor estilo Felipão venceu a primeira partida fora de casa e voltou ao G4. Sem estrelas e destaques, mas um time focado e objetivo.

São Paulo com a primeira vitória de Adilson Batista. Foram 4 golaços. Carlinhos Paraíba fez um golaço no ângulo, Juan fez as pazes com a torcida, Dagoberto com a melhor troca de passes da rodada e Lucas sem palavras. Agora a lição de casa é arrumar o setor defensivo que pela segunda vez errou e quase prejudicou o time.

O que você achou da décima maravilhosa segunda rodada do Brasileirão?

Timão firme e forte

Foto: Fernando Dantas/Gazeta PressFalar que o Cruzeiro quebrou a invencibilidade do Corinthians eu aceito, mas dizer que foi superior ao time paulista eu não concordo.  O resultado de 1 a zero não abalou as estruturas do Timão.

Seria muito fácil dizer que esta derrota só veio porque o time estava desfalcado, mas não vejo por este lado. A equipe do Papai Joel foi feliz em apenas dois momentos. Primeiro no golaço do jogador Wallyson e segundo na parede que o time criou para não deixar o Corinthians jogar.

O líder do campeonato jogou muito bem, criou várias oportunidades de gol, pressionou até o fim, perdeu a tranquilidade em alguns momentos e merecia a vitória.

O Corinthians tem elenco e isso faz toda a diferença para o Campeonato Brasileiro. Jogadores de alto nível estão prontos para substituir os titulares, e isso ficou evidente nesta última partida. O técnico Tite está tranquilo, pois sabe que a derrota chegou na hora certa. Domingo (31/07) o Corinthians enfrenta o Avaí, a ex-quipe do goleiro Renan.

Kleber não jogou limpo

Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressQuando eu vi que a novela “Kleber&Flamengo” tinha acabado,  abri meu blog e comecei a falar sobre o assunto, mas uma cena no meio do jogo me fez mudar o foco do post.

Kleber, sem dúvida, é um jogador guerreiro, habilidoso, líder e a torcida o idolatra. O que eu não entendo é o porque um atleta deste nível perde a cabeça em determinados momentos?

Acho que é jogador que merecia uma oportunidade na Seleção, mas para isso precisaria ter um comportamento diferente com seus colegas de trabalho e em campo. Mano Menezes não vai convocar um atleta que expõe seus problemas com a diretoria e muito menos aquele que não pratica o Fair Play.

Na partida contra o Flamengo ele fez as pazes com a torcida palmeirense, mas deixou uma imagem negativa para o futebol e principalmente para o clube que estava tentando compra-lo.

O gladiador não precisava fazer uma cena no momento da confusão e sair jogando como se nada estivesse acontecendo. A violência não leva a nada, mas eu entendo e apoio a revolta dos jogadores do rubro-negro.  Fico imaginando se aquela bola entra no gol do goleiro Felipe e o que hoje nós estaríamos debatendo.

No meu ponto de vista, isso não o faz ser mais ou menos, só é uma reflexão para um profissional que eu admiro, e precisa rever algumas atitudes para num futuro próximo não sofrer com as consequências.

Medo da Seleção Parte IV – Final

Não sou “O Astro” e muito menos expert em esquemas táticos, minhas opiniões eram e são referentes ao que vejo e sinto da nossa Seleção.
Não é fácil e nem prazeroso escrever sobre a eliminação brasileira. Acho que foi a nossa melhor partida, parecia que as jogadas ensaiadas estavam saindo, mas a falta de finalização nos persegue desde os amistosos.
Concordo que o começo de qualquer projeto é difícil, existem vários obstáculos e principalmente derrotas, mas o torcedor precisava desta vitória para começar acreditar um pouco mais na Seleção.  Tudo ainda é muito recente e a decepção permanece no coração de cada torcedor. Ontem fomos eliminados pela Holanda, hoje pelo Paraguai e amanhã…(Espero não completar esta frase)

Apesar dos meus últimos posts (Medo da Seleção I;II e III) e desse vexame contra o Paraguai, sinceramente acredito no Brasil. Acho que alguma “coisa” vai acontecer e algumas mudanças acontecerão antes da Copa do Mundo.  Somos os donos da casa em 2014 e não podemos continuar com essa filosofia.

E você, o que faria se pudesse mudar a Seleção Brasileira?

Agora começa a Copa América

Imaginar que no início da Copa América escutávamos que o grupo do Brasil era tranquilo, fraco e que logo depois da segunda rodada estaríamos classificados. Nos enganamos e tivemos que pegar a calculadora para saber como seria nossa vida depois dos dois empates.
Jogamos a terceira rodada contra os equatorianos, e no primeiro tempo tive a sensação que estaria aqui novamente com o “Medo da Seleção”. No segundo tempo tivemos altos e baixos, mas o time brasileiro se soltou. Maicon fez a diferença na lateral e consequentemente no ataque também. Robinho estava mais presente em campo e o talento individual de alguns jogadores fez a diferença nesta partida, ou seja, estou falando de Neymar e Pato.
Senti falta do Ganso em campo. Talvez o 10 da seleção não se encontrou com o time, mas é nítido sua evolução com a amarelinha.
Como disse o Pato: “Agora começa a Copa América”. Nós torcedores esperamos que este susto da primeira fase sirva de exemplo para os jogadores. A partir de agora o objetivo deve ser um só: Levar o futebol brasileiro ao topo.

Medo da Seleção Parte III

Foto: AFP

Foto: AFP

Esperei a cabeça esfriar, os ânimos ficarem mais calmos para eu escrever novamente sobre a nossa Seleção.

Antes de mais nada, jogador algum que veste a camisa verde amarela tem o direito de mandar a torcida brasileira calar a boca. O cara que foi convocado pelo seu “maravilhoso” desempenho tem que saber respeitar, independente da situação, e se não gosta de ser cobrado, faça um favor para a nação:  Vire gandula.
Quero muito que o Brasil cale a minha boca na próxima quarta-feira. É uma vergonha ter que vibrar com um empate com o Paraguai. O grito de gol foi como um de Copa do Mundo. Acho ilusão alguns jogadores como titular, frustrante ver outros no banco de reservas e mesmo assim, não foi a primeira vez que ouvimos a torcida gritar pelo Lucas Silva (São Paulo). Quero acreditar que nesta terceira partida oficial a equipe de Mano Menezes esteja mais entrosada e confiante, caso isso não aconteça, vamos lamentar mais um empate ou derrota.

Messi está triste

E a Copa América continua surpreendendo todo mundo. Depois da partida entre Argentina x Colômbia, fiquei com uma dúvida, ou melhor, com algumas. Será que não basta ser o melhor do mundo? Será que é verdade aquele papo de que o Messi só joga no Barcelona e na sua seleção ele pipoca?

O camisa 10 da Argentina apagou, estava visivelmente chateado em campo. Não sei se foi com sua baixa atuação ou com todos os seus companheiros que não conseguiam dar sequência nas jogadas. A frustração foi maior porque ele sabe que a pressão existe, e que mais uma vez não aproveitou a oportunidade de ser o comandante em campo.

Saudades da Espanha? Preocupado com sua imagem? Ou sentindo falta de um jogador para tabelar com ele?
As dúvidas existem porque estamos falando do melhor do mundo e não de um jogador qualquer. Assisti o jogo pensando que iria ver um espetáculo, ainda mais depois do empate em 1 a 1 com a Bolívia, mas estava errado. A nossa maior rival na Copa América não teve criatividade em campo e deixou a crise invadir seu elenco. Na próxima segunda-feira, os Hermanos precisam ganhar da Costa Rica e torcer por combinações de outros resultados do seu grupo para se classificarem para próxima fase.

Antes de finalizar, só mais uma pergunta: Vocês sabem me responder porque tudo isso aconteceu?

Medo da Seleção Parte II

É turma, mais uma vez todos nós sofremos e infelizmente, meu medo só aumenta em cada partida que a Seleção faz.  Neste último domingo, o Brasil realizou seu primeiro jogo oficial , mas continuou com os mesmos erros.
Sem finalizações, meio de campo apagado e uma escalação que eu deixo pra você cornetar.

Ninguém foi o cara do jogo. Neymar tentou, Ganso se perdeu em campo, Ramirez errou em muitos lances e etc.
A dificuldade de hoje, será de amanhã e espero, que não seja o mesmo do depois de amanhã (2014).
Minha pergunta é simples: Com a falta de resultados, até quando temos que ter a famosa paciência?
Não sou ex-jogador ou comentarista, apenas apresento o Super Esporte, mas antes de qualquer coisa, eu nasci torcedor e acompanhei grandes vitórias. O Brasil não é jazz, é batuque com gritos emocionados e uma filosofia básica para o futebol: Vitória!

Para bom entendedor, meia palavra basta.
Tchau Turma.