Vitória convincente

Foto: AFP

Foto: AFP

Que saudades de escrever bem da seleção. Não postar o “Medo da Seleção”, ser leve nas palavras e voltar a ter um pinguinho de esperança no Brasil.

A seleção brasileira foi mais ofensiva e estava literalmente se sentindo em casa. A torcida fez a sua parte e os jogadores retribuíram com a vitória que veio num momento importante.

Destaco a atuação do Borges que é um jogador experiente, 30 anos de idade e não sentiu o peso da amarelinha. Não fez o dele, mas é um jogador que pode ter mais oportunidades e fazer o seu serviço completo pra ninguém reclamar.

Lucas mostrou para Mano Menezes que a torcida e os jornalistas estavam certos. O jogador tem lugar no time para começar o jogo como titular, e dar uma movimentação diferente no meio de campo. Muito mais velocidade e um futebol bonito cheio de técnica.

Cortês me surpreendeu. Imaginar que há um anos atrás esse jogador atuava num time pequeno da série B do Carioca, e hoje estreou na seleção principal da forma que o próprio intitulou. Ousado.

Neymar? Já disse algumas vezes aqui que qualquer adjetivo para esse moleque será pleonasmo. Ele e Ronaldinho Gaúcho infernizaram os argentinos com belas jogadas e dribles que só no vídeo game nós estamos acostumados a ver.

Essa á a seleção que nós gostamos de torcer, assistir, cheia de vontade, raça, com lindas jogadas e principalmente gols.

Tenho ciência que é muito cedo dizer que o técnico achou ou acertou a seleção, mas essa vitória foi a primeira convincente. Mano Menezes tirou um peso de suas costas e a partir de agora conseguirá trabalhar com menos pressão e arriscando um pouco mais.

Os próximos desafios na seleção brasileira serão nos dias 07 e 11 de Outubro com Costa Rica e México respectivamente.

Mais uma proeza do Palmeiras

O Palmeiras tem um grande problema, ou melhor, vários. O primeiro e o mais importante é a não realização da lição de casa. Não marcam, fazem muita besteira na defesa e principalmente nos contra-ataques. Parece que há um monstro no outro lado do campo, pois não conseguem chegar próximo ao gol do adversário.  É muito simples compreender a bronca que o técnico Luís Felipe Scolari tem com a equipe, quando ele diz que não há o que fazer no time. Talvez o próprio Palmeiras se engana achando que tem um elenco capaz de segurar um resultado ou conseguir uma vitória elástica.

Uma coisa tenho que registrar aqui no blog. Foi impressionante como o time goianiense foi guerreiro e buscou o resultado em casa com dois jogadores a menos. Depois dos 90 minutos, a torcida reconheceu o esforço do Dragão e gritou: Time de Guerreiro.

Nesse ritmo que o Verdão está, dificilmente conseguirá uma vaga na Libertadores 2012.

Empate com sabor de vitória (para os 2 times)

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Quero ver daqui 3 ou 4 rodadas algum time  satisfeito com um zero a zero. Essa foi a impressão que eu tive quando São Paulo e Corinthians voltaram para o segundo tempo.

O Timão morreu em campo. Nitidamente desesperado, sem saber o que fazer com a bola e totalmente dependente do Sheik. Todas as tentativas passaram  pelos pés do carioca. Na verdade, foram apenas duas oportunidades. Uma de cabeça e outra no finalzinho do segundo tempo, quando o zagueiro Rodrigo Caio bobeou e o Sheik aproveitou para arrancar com a bola e tocou para o William que tentou finalizar.

O tricolor foi melhor em campo. No primeiro tempo mandou no jogo, teve oportunidades de gols, mas não soube aproveitar a vantagem que tinha sobre o Corinthians. Jogou em casa, aparentemente não vive uma crise, nenhum jogador saiu da concentração, o técnico não está balançando e não perdeu recentemente uma liderança.

No final das contas o empate acalmou os ânimos das duas equipes. Tite tentará colocar ordem na casa e o São Paulo por enquanto é líder do Brasileirão.

Tite deve continuar

Foto: Marcelo Ferrelli/Gazeta Press

Foto: Marcelo Ferrelli/Gazeta Press

Foram 17 rodadas no topo. Algumas por competência do Corinthians e outras pela incompetência dos adversários, mas nesta última rodada o Santos foi o carrasco e ganhou por 3 a 1 de virada no Pacaembu.

Mesmo com um jogador a menos, o time da Vila Belmiro cresceu na segunda etapa e virou a partida. Poderiam ser 4 ou 5 gols a favor do Santos se não fossem as ótimas defesas do goleiro Júlio Cesar. Muitas vezes criticado e pressionado.

Acho que a derrota veio no momento certo. O “choque” do terceiro lugar dará um outro ritmo para a equipe do técnico Tite. Aliás, outro assunto em questão é a permanência ou não do professor. Acho que o comandante deve continuar exercendo seu trabalho e os torcedores precisam manter a calma neste momento do campeonato. O Brasileirão está aberto e independente do resultado, este não é o momento da troca de treinador.

E o Santos está na briga da competição. Mesmo na décima primeira posição, o técnico Muricy Ramalho já havia avisado que se ganhasse esta partida iria buscar o terceiro caneco do ano.

Medo da Seleção Parte VI

Foto: AFP

Foto: AFP

Primeira, segunda e apenas na terceira finalização pudemos assistir o lance mais bonito dos 90 minutos. Leandro Damião foi o protagonista da nossa seleção que mais uma vez não fez nada. Jogo chato, sem graça, sem emoção e preocupante. Concordo que a falta de entrosamento é algo relevante numa análise, mas porque apenas duas substituições? Porque tirar um volante e colocar outro volante? Porque Lucas sempre fica no banco? O que há por trás de tudo isso? Sinceramente turma, chego a concordar com muitos colegas de trabalho quando dizem que são “obrigados” a assistirem um jogo como esse.

Acompanhar o Brasil atuando desta maneira é o mesmo que ver a pessoa que você é apaixonado fazer coisas erradas, te trair, não te dar atenção e ainda sempre arrumar uma desculpa para você, ou seja, não vai faltar muito para o torcedor esquecer a seleção e pensar em outra coisa: Seu próprio time.

O Timão agradece o São Paulo

O Fluminense venceu o Corinthians em casa e conseguiu sua quarta vitória consecutiva no Brasileirão.  Com um futebol muito diferente da última rodada, o Timão não conseguiu impor seu ritmo e muito menos suas jogadas. Nenhum jogador se destacou e os corintianos não tiveram chances claras de gol. Não jogou mal, mas literalmente na altura do campeonato a equipe do técnico Tite não pode bobear desta maneira.

O Corinthians apesar da derrota, contou com a sorte novamente e ainda é líder. Vasco empatou com o Figueirense, Botafogo perdeu para o Coritiba e o São Paulo…

Não aproveitou a oportunidade de terminar a vigésima terceira rodada como líder do campeonato, e ainda caiu da vice-liderança para o terceiro lugar.

Adílson Batista fez as três as modificações, mas não foi suficiente para a equipe arrancar um empate fora de casa. O tricolor paulista foi outro a jogar bem, assim como o Corinthians, mas a marcação gremista impediu qualquer jogada pela lateral ou pelo meio.

No ritmo que o Brasileirão está, não será nenhuma novidade se outros times assumirem o G4. Neste campeonato tudo é possível, e não duvido que daqui um tempo a sorte pare em outro lugar.

Bateu, tomou

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

A vitória do Corinthians foi como um soco no estômago do Flamengo. Num clima de decisão de campeonato, os dois times entraram em campo pressionados pela vitória.

Jogando com a casa lotada, o Timão foi pra cima e não quis saber de mais nada.  Foi uma vitória merecidíssima e a concentração foi determinante no jogo. Mesmo depois de sofrer o primeiro gol,  a equipe corintiana buscou com tranquilidade o resultado. Dominou a partida com passes de bola, lançamentos e finalizações.

O Levezinho brilhou em campo e não se abalou com a agressão que recebeu do “jogador” da equipe adversária, e a resposta veio no melhor estilo, com dois gols e a liderança no Brasileirão.

A comemoração vai até a página dois, porque neste final de semana o Corinthians terá mais um adversário difícil. O Fluminense está se reencontrando no campeonato, vem de três vitórias e será o anfitrião da partida.

Como o próprio protagonista do jogo disse: “A vitória veio para coroar a boa apresentação do Corinthians.”

Marcos Perfeição


No primeiro turno (29/05) o Palmeiras empatou com o Cruzeiro na Arena do Jacaré. Na ocasião Luan fez o golaço que o tirou de um jejum de quatro meses, depois Anselmo Ramon empatou o jogo para a Raposa. E o que mudou de lá pra cá?

Na equipe mineira passaram os técnicos Cuca e Papai Joel Santana. Hoje Emerson Ávila está comando. Keirrison que disputou o Paulista e a Libertadores pelo Santos, chegou ao time e estreou nesta última rodada.

Já no Palmeiras, o técnico é o mesmo e alguns nomes são novos na escalação. Ricardo Bueno (ex-Atlético-MG) e Fernandão (ex-Guarani). Este último aliás, fez sua terceira partida com a camisa do Verdão e já virou um jogador importante no esquema tático do Felipão. Jogador alto, técnico e sabe usar sua força física para proteger a bola.

E no futebol Thiago? É turma palmeirense, nada mudou.

O Palmeiras mais uma vez perdeu a chance de ganhar 3 pontos.  Eu sei que no momento a equipe não sairia do sexto lugar, mas com as derrotas de Corinthians, Flamengo e Vasco esses pontinhos farão falta ao Verdão.

Por tudo o que já fez e faz até hoje, na minha opinião Marcos Assunção não foi o responsável pelo empate. Mesmo perdendo o pênalti aos 45 minutos do segundo tempo, acho que um time como o do Palmeiras não pode depender 100% de bolas paradas. Só perde pênalti quem bate o pênalti, não é isso? Então o Marcos Perfeição tem moral suficiente para falar o que quiser. Penso que antes de qualquer torcedor falar o famoso “se” o Marcos fizesse o gol…cada um deve pensar que o time precisa criar, marcar mais e crescer no jogo para ganhar moral e sair da partida com o resultado positivo.

O próximo compromisso da equipe verde será na quarta-feira contra o Atlético-PR na Arena da Baixada.

O mágico Jorge Henrique

E começou o segundo turno do Campeonato Brasileiro. Alguns destaques: São Paulo perdeu em casa para o Fluminense, Palmeiras foi até o Rio de Janeiro para levar três gols, Santos com muita garra conseguiu empatar com o Inter, Flamengo perdeu mais uma e dessa vez para o Avaí e o Corinthians sofreu para vencer o Grêmio.

O Timão começou a partida com Jorge Henrique no banco de reservas e Edenílson como titular. O técnico Tite deixou evidente com sua escalação que a preocupação era deixar o setor defensivo mais forte e voltar a ter uma boa sequência de vitórias. Nem tudo deu certo, porém o mais importante foi conquistado dentro de casa e pelo menos os 101 anos de Corinthians serão comemorados na liderança do campeonato depois dos três pontos conquistados.

Liedson e Edenílson foram expulsos e Jorge Henrique foi o responsável em deixar o jogo mais pegado, com um ritmo acelerado e num passe de mágica fazer a palavra “crise” sumir. A vitória veio num momento importante para o técnico corintiano continuar seu trabalho sem ser tão pressionado como das últimas rodadas.