Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Laor reconhece que críticas de Muricy geraram desconforto no Santos

Do correspondente Rodrigo Martins Santos (SP)

As críticas feitas pelo técnico Muricy Ramalho, reclamando da morosidade na busca por reforços, não foram bem recebidas pela diretoria do Santos. O presidente do clube praiano, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, reconheceu que os questionamentos levantados pelo treinador geraram certo desconforto na Vila Belmiro.

“Não acho que é exatamente a posição mais confortável para a direção do Santos. Quando as cobranças existem em um ambiente interno, elas são mais razoáveis e ponderáveis”, afirmou Laor, em entrevista à Rádio Globo.

O vice-presidente santista, Odílio Rodrigues, havia tentado minimizar as críticas públicas de Muricy. Já o mandatário, apesar do desconforto, garantiu ter compreendido o desabado do comandante. “O Muricy tem esse estilo e a gente tem que respeitar. É uma pessoa do bem. Nessas horas em que o coração sobe à boca, as coisas têm de ser entendidas de outra forma”, destacou.

Indagado sobre reforços, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro acredita que há bastante tempo para buscar novas contratações no mercado e analisou a possibilidade de a cúpula alvinegra trazer Montillo, do Cruzeiro.

“A gente ainda está no final de novembro. Não falamos de jogador antes que esteja efetivamente contratado. Que o Montillo é craque, todo mundo sabe. Que se encaixaria bem no Santos, também. Mas quem detém os direitos dele é o Cruzeiro”, pontuou.

A Raposa quer 10 milhões de euros (cerca de R$ 27 milhões) pelo meio-campista argentino. No entanto, os mineiros aceitam conversar e esse é um fator que anima o Santos, apesar da concorrência de São Paulo e Grêmio.

O Tricolor Paulista, aliás, teria oferecido R$ 10 milhões, além do meia Cícero e de mais um jogador a ser escolhido pelo Cruzeiro - o volante Casemiro, além do zagueiro João Filipe, e dos laterais Juan e Carleto são os nomes cotados -, para contratar Montillo.

Enquanto isso, os santistas cogitam recorrer a ajuda do banco Banco BMG, principal patrocinador da sua camisa e, também, anunciante master da Raposa, para tentar fechar a transação. O banco detém 20% dos direitos econômicos do atleta, que tem 60% dos direitos ligados aos mineiros e o restante a um grupo de investidores.

Cauteloso, Laor evitou dar maiores detalhes sobre a situação. “A decisão é do Cruzeiro. Temos de respeitar, não há nada a contar em termos de novidade”, encerrou.

Vale lembrar que, até o momento, o único reforço anunciado pelo Peixe foi o zagueiro Neto, ex-Guarani. O defensor, aliás, já treina normalmente no CT Rei Pelé, junto aos seus novos companheiros.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade