Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Jadson se apoia na confiança do grupo enquanto tenta dobrar torcida

Tossiro Neto São Paulo (SP)

O meia Jadson é um dos jogadores mais regulares do São Paulo e, ainda assim, não é unanimidade para a torcida. Convencido de que nem sempre vai agradar quem está na arquibancada, o camisa 10 se apoia na confiança recebida internamente para continuar ajudando a equipe, como na vitória de quarta-feira, quando fez dois dos cinco gols da vitória sobre a Universidad de Chile, no Pacaembu.

"Têm dias que as coisas não dão certo, e às vezes a torcida fica um pouco chateada. Se for ver os jogos que fiz no Campeonato Brasileiro, tive regularidade boa. Ontem (quarta-feira) consegui fazer uma boa partida e ajudar a equipe (a se classificar para a semifinal da Copa Sul-americana). Espero ganhar confiança da torcida, porque já sei que tenho confiança dos meus companheiros, do treinador", disse.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Meia se sustenta no incentivo recebido internamente
Contratado no início do ano junto ao Shakhtar Donetsk, Jadson é o jogador que mais vezes atuou pelo time nesta edição do Campeonato Brasileiro, tendo ficado fora de apenas uma das 34 rodadas, em função de suspensão automática pelo terceiro cartão amarelo. São dez assistências e cinco gols na competição.

Apesar de sua importância e de sua regularidade, o meia é pouco admirado por parte da torcida, ao contrário, por exemplo, do meia-atacante Lucas e do centroavante Luis Fabiano, os quais decidem mais, porém desfalcaram a equipe mais vezes na temporada – por convocações à Seleção Brasileira ou, no caso do último, por lesões.

A recente chegada de Paulo Henrique Ganso também ajudou a criar sombra para o camisa 10, mas Ney Franco já avisou que pretende utilizar formação com os dois como titulares. O treinador, por sinal, é quem mais apoia Jadson publicamente, e a recíproca se faz verdadeira, em forma de agradecimento.

"O Ney tem uma grande parcela na evolução da equipe. No começo, foi um pouco difícil a gente engrenar, entender o método dele. Mas com o tempo, os jogadores que estavam machucados voltaram, e isso ajudou a equipe a crescer bastante. Todos se fecharam, e equipe começou a jogar bem, com confiança", elogiou o meia, ora vaiado, ora aplaudido pelos são-paulinos.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade