Futebol/Reportagem - ( - Atualizado )

Pai confia em Guerrero para decidir futuro, mas quer conhecer Timão

Bruno Ceccon e Marcos Guedes São Paulo (SP)

Pouco tempo separou o apito final do árbitro Cüneyt Çakir em Yokohama das primeiras notícias sobre o interesse de clubes europeus em Guerrero. O Corinthians nega ter recebido qualquer proposta, mas até o próprio Chelsea, castigado pelo peruano, é mencionado como possível destino.

De Lima, José Guerrero acompanha com orgulho o sucesso do filho. Ele prefere não apontar o caminho a seguir, mas vê o centroavante feliz no time de Parque São Jorge e espera um chamado para ver de perto o campeão mundial.

Guerrero é Paolo como Rossi, mas respeita o Brasil
Pai ensinou o ídolo a cabecear “como Valeriano”

“No dia em que o Paolo me convidar, vou a São Paulo conhecer o clube. Ainda não tive essa satisfação, mas, seguramente, o Paolo vai me convidar. Caso contrário, vou conhecer pelo mapa”, sorriu Don José, em entrevista por telefone à GE.net, concedida enquanto esperava a chegada do atacante ao Peru.

Separado da mãe do jogador, Petronila Gonzáles, o pai de Guerrero não falou com o filho nos dias subsequentes à conquista do Mundial. Por isso, preferiu não opinar sobre seu futuro, conduta que adota desde a época em que o garoto despontava no Alianza Lima.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Presidente Mário Gobbi segurou o cobiçado Paolo Guerrero com um abraço após a decisão do Mundial de Clubes
Ao lado de Petronila, José resolveu esperar que Paolo completasse 18 anos antes de assinar qualquer contrato profissional. Com essa idade, o centroavante teve a liberdade de decidir sua ida ao Bayern de Munique, ponto de partida para uma década no futebol alemão.

Perto dos 29 anos, o herói do Timão tem agora ainda mais tranquilidade para resolver sua vida sem a influência direta dos pais. Ficando no Corinthians ou retornando à Europa, ele não diminuirá o orgulho de José e Petronila e a adoração de um país inteiro.

“Ele vai tomar a decisão. Precisa ver se convém ao clube e ao jogador melhorar seu salário. Teria que pensar com muita tranquilidade e frieza para ver a possibilidade de ficar no Corinthians. Não há pressa. Ele deve pensar 20 vezes”, comentou Don José.

Ele citou um ditado em espanhol que não tem tradução adequada para o português – “Por mi mejoría, mi casa dejaría" – para lembrar que “a carreira no futebol é muito curta”. Seja como for, o pai de Guerrero quer ganhar uma camisa do Timão em que Paolo fez história. “Ainda não tive essa satisfação.”

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade