Futebol/Torneio Internacional Cidade de São Paulo - ( - Atualizado )

Chuva afasta público e bom futebol do Brasil em revés para o México

Edoardo Ghirotto, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

A forte chuva desta quinta-feira esvaziou o Pacaembu e comprometeu a atuação da Seleção Brasileira de futebol feminino. Sem empolgar o público como em sua estreia no Torneio Internacional Cidade de São Paulo, o time canarinho esbarrou em seus próprios erros e foi derrotado por 2 a 1 para o México. O resultado deixa a Dinamarca na liderança do campeonato amistoso e mantém indefinida a classificação das meninas para a final.

Em seu segundo jogo à frente da equipe nacional, o técnico Márcio Oliveira apostou na mesma base que goleou Portugal por 4 a 0, no último domingo. Desta vez, porém, a formação não surtiu efeito e parou na forte marcação mexicana. Os obstáculos foram tantos que até o gol anotado por Rosana saiu em um lance chorado, aos 14 minutos da etapa inicial.

O empate mexicano veio durante o segundo tempo. Guajardo aproveitou erro na saída de bola e limpou a marcação antes de anotar um belo gol no Pacaembu. Em seguida, a atacante Cristiane perdeu um pênalti na partida e desperdiçou inúmeras chances claras de gol. As falhas acumuladas ao longo dos 90 minutos de jogo foram determinantes para Domingues decretar a virada em outra bobeada da zaga, aos 44 da etapa complementar.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Com a derrota, o Brasil de Marta segue em segundo no Torneio Internacional Cidade de São Paulo
Agora, o Brasil soma três pontos e está em segundo lugar na competição. A Dinamarca, com quatro, é a líder. As europeias empataram por 0 a 0 com Portugal, nesta quinta-feira, e se mantêm à frente depois de terem goleado o México por 5 a 0, na primeira rodada. No próximo domingo, a Seleção irá enfrentar a primeira colocada para tentar ir até a final e lutar pelo direito de jogar pelo empate - apenas o líder tem este privilégio na decisão do torneio.

O Jogo - A lentidão da Seleção trouxe sufoco para as zagueiras brasileiras no início da partida. As falhas apresentadas atrás da linha do meio-campo deixaram o time canarinho preso na intermediária e apenas uma jogada individual de Fabiana Baiana desafogou o setor defensivo. Aos dez minutos, a jogadora fez fila na entrada da área e quase superou a goleira Santiago com um chute cruzado pelo alto.

O primeiro lance de perigo foi suficiente para que o Brasil se soltasse na partida. Aos 14 minutos, Marta recebeu na esquerda e fez um cruzamento primoroso para Rosana. O lançamento passou pela goleira e terminou nos pés da camisa 8, que concluiu com dificuldades. Travada pela defensora mexicana, a bola passou pelos pés das duas jogadoras e morreu lentamente no fundo das redes.

Mesmo com a vantagem no início do confronto, as brasileiras penaram para superar a defesa mexicana e isolaram qualquer oportunidade criada nas bolas paradas. Sem ameaçar Santiago, o time canarinho deu espaço para o México e quase sofreu o empate aos 25 minutos. Em um lance despretensioso, Andréia se atrapalhou com a zaga e só não levou o gol contra porque Fabiana Baiana salvou praticamente em cima da linha.

Fernando Dantas/Gazeta Press
A Seleção Brasileira não embalou após o gol de Rosana e se atrapalhou no posicionamento defensivo
O susto sofrido pela defesa brasileira foi a única emoção vista até os 44 minutos da etapa inicial. Após uma falta dura sobre Cristiane na entrada da área, Marta colocou por cima da barreira e obrigou Santiago a se esticar toda para impedir o gol. Na sequência, um chute de fora da área resvalou na defesa mexicana e obrigou a goleira a se recuperar no lance para não ser vazada novamente.

O segundo tempo começou com a persistente chuva paulistana e tímidos gritos de ‘Vai Corinthians’ nas arquibancadas. Já a bola sofreu. E sofreu muito. Em um dos vários erros cometidos pela Seleção Brasileira, Andressa se equivocou na saída de bola e foi desarmada por Guajardo. A atacante aplicou um drible da vaca em sua marcadora e chutou cruzado para superar a goleira Andréia.

O gol mexicano, marcado aos 15 da etapa complementar, obrigou Marta a entrar em ação novamente. Três minutos depois de as visitantes terem igualado o placar, a camisa 10 da Seleção se enroscou com uma defensora adversária e caiu dentro da área. O lance duvidoso rendeu um pênalti ao Brasil, mas não trouxe qualquer alteração ao placar. Assim como no Mundial de 2011, Cristiane desperdiçou a cobrança e frustrou a torcida.

Os seguidos tropeços colocaram o rendimento da Seleção em xeque. O time até esboçou uma reação e chegou a perder um gol feito com Cristiane, aos 24 minutos. A atleta recebeu livre de marcação e chutou forte para fora. A centroavante ainda cabeceou a queima-roupa e parou na grande defesa de Santiago. A goleira foi, inclusive, o destaque mexicano. Aos 30, a camisa 1 teve nova participação decisiva e se agachou para impedir que Marta concluísse outra chance em gol.

Fernando Dantas/Gazeta Press
As principais atletas da Seleção não foram bem: Cristiane perdeu pênalti e Marta se escondeu em campo
Sem encontrar meios de furar o bloqueio adversário, a Seleção se complicou na hora de tocar a bola no meio-campo e deu seu último suspiro aos 40 minutos. Após a saída errada de Santiago, Cristiane bateu forte e provocou alguns segundos de indecisão no Pacaembu. A torcida até se levantou para gritar gol, mas, para o alívio dos dinamarqueses que acompanhavam ao duelo, a bola bateu na rede pelo lado de fora.

Com mais uma falha no ataque, as brasileiras levantaram os gritos da empolgada torcida mexicana e foram castigadas por Domingues. A atacante aproveitou o contra-ataque fulminante de sua equipe e avançou até a área sem receber o combate. Ao se aproximar da defesa adversária, a jogadora encobriu Andréia com categoria e selou a vitória visitante aos 44 minutos.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade