Futebol/Reportagem - ( )

Horrorizada com Pato, Lívia Andrade indica gato na laje a Berlusconi

Helder Júnior* São Paulo (SP)

A atriz e modelo Lívia Andrade nasceu em São Paulo, há 29 anos. Aprendeu a ser corintiana com o pai (com quem pouco conviveu), que costumava trocar os encartes de uma coleção de fitas cassete pelo distintivo do clube do coração ou por fotografias de mulheres nuas. Mesmo após ganhar fama como “mallandrinha”, posar para as revistas masculinas Playboy (em setembro de 2001) e Sexy (agosto de 2003) e encantar o apresentador Silvio Santos no SBT, a antiga rainha de bateria da escola de samba Gaviões da Fiel não deixou de ser “maloqueira”, como gosta de dizer. Quando está na Zona Norte de São Paulo, sempre que pode, ainda prova ser adepta do tradicional “churrasquinho de gato na laje” em dias de jogos do Corinthians.

Veja também:
Longe de namorada, Pato encara via-crúcis por um 2014 bárbaro
Enlouquecida com Pato, mulher rica brinda Barbara com TimãoBaína
Nelson Rubens desconfia de fidelidade e promete marcar em cima
Corintiana Sthefany Brito não fala mais sobre o ex Alexandre Pato
Lívia Andrade faz ensaio fotográfico com bandeira do Corinthians
Confira em imagens a ligação de Brunete Fraccaroli com o Timão
Relembre em fotos a trajetória da nova estrela do ataque alvinegro

A empresária e filósofa Barbara Berlusconi nasceu na cidade suíça de Arlehsheim, há 28 anos. Aprendeu a ser dirigente e a lidar com finanças com o pai (com quem convive quase diariamente), o ex-primeiro-ministro italiano que costumava ser notícia por estar envolvido em escândalos sexuais. Mesmo após ganhar fama por sua beleza e elegância, ingressar no conselho diretivo do conglomerado Fininvest e encantar o atacante Alexandre Pato no Milan, a antiga mulher do banqueiro Giorgio Valaguzza não perdeu a discrição de que sempre gostou. Quando esteve em São Paulo, no início deste ano, ainda provou ser adepta de churrascarias requintadas – fartou-se principalmente com picanha, arroz e palmito em um estabelecimento do nobre bairro dos Jardins.

"Ela não tem nada a ver comigo, com a gente, com as corintianas! Nada, nada, nada, nada!”, constatou a própria Lívia, que conversou com a reportagem da Gazeta Esportiva.net enquanto cuidava do cabelo em um salão paulistano. Antes com bobes na cabeça (fazia lembrar a personagem Dona Florinda, interpretada por ela mesma em uma versão brasileira do seriado mexicano Chaves), a atriz se embelezou, trajou-se com um vestido bastante decotado e posou para fotos com uma enorme bandeira do Corinthians para tentar ensinar a comedida filha de Silvio Berlusconi a também virar maloqueira.

Os conselhos começaram pela culinária. “Um churrasquinho de gato no espeto! Todos os corintianos adoram isso! Na porta do estádio, então! Hummm...”, sorriu Lívia, fechando seus olhos maquiados ao se lembrar da iguaria. “A Barbara Berlusconi viraria corintiana de verdade se assistisse a um jogo do Timão na laje, comendo um churrasquinho de gato com a galera do bairro! E uma cervejinha no boteco da esquina? Que delícia! Mas ela não vai fazer nada disso, não. Infelizmente.”

“O Pato é horrível!”
Lívia não se deixa seduzir nem mesmo pelo namorado de Barbara. “Como corintiana, não me empolguei com a contratação do Alexandre Pato. Quando fiquei sabendo, uma coisa logo veio à minha cabeça: ele não tem a cara do corintiano!”, exclamou, reprovando o adjetivo “bonitinho” para definir o jogador que já serviu de modelo para a grife Dolce & Gabbana. “O Pato não é nada disso. Esse negócio de jogador bonitinho não existe. Só porque o cara é milionário? Ah, não. Comigo, não cola. Ele pode até ter virado modelo na Itália, mas é feio. O Pato é horrível!”, exagerou uma torcedora que garante não sentir atração por nenhum atleta – corintiano ou não. “Beleza, meu filho... Quem é bonito mesmo não está jogando futebol, e sim modelando e trabalhando na televisão.”

Lívia Andrade está modelando e trabalhando na televisão. Uma das principais atrações do “Jogo dos Pontinhos” do “Programa Silvio Santos”, a ex-mallandrinha também atuou como humorista em “A Praça é Nossa” e integra o elenco da novela “Carrossel” no papel de uma vilã, a professora Suzana Bustamante. A ascensão profissional não desvinculou o Corinthians da imagem da atriz. Nos bastidores do SBT, houve até ajuda de um torcedor rival para ampliar essa ligação com o clube do coração. O assistente de palco são-paulino Liminha compôs a música “Sou Corinthiana”, que serve de tema para a modelo dançar em cena. “Sou corintiana, sou maloqueira, sofredora e sou bacana!”, ela cantou, animada.

Para Lívia, dinheiro não é empecilho para nenhuma corintiana bacana – nem mesmo a namorada de Alexandre Pato – juntar-se a ela para entoar a letra de Liminha. “As pessoas teimam em dizer que somos assim, largados, por causa da pobreza, mas a simplicidade pode estar presente em qualquer classe. Eu mesma conheço muitos milionários que são corintianos e maloqueiros a ponto de também gostar do espetinho de gato. Eles têm o mesmo sentimento do povão, mas possuem um patrimônio diferenciado. Você consegue notar a proximidade entre o corintiano que anda de Ferrari, Porsche e Lamborghini e aquele que não tem nem um par de Havaianas para calçar. Por isso, podem me chamar de maloqueira. Estou pouco me lixando. Sou assim: ando de tênis e assisto aos jogos no meio da galera!”, avisou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Modelo que se orgulha de ser "maloqueira" levou o próprio bandeirão do Corinthians para posar para esta foto
Quando está de tênis, Lívia gosta de levar amigas e parentes (principalmente aquelas que torcem por outros times) para subir a arquibancada de cimento do Pacaembu em partidas do Corinthians. “Puxei a minha priminha, que era são-paulina, para o meio dos gaviões. Não era para a gente estar ali! Eu havia prometido para o meu tio que ficaríamos em um camarote. Quando saiu o gol, a torcida foi filmada, e ele reconheceu a gente pela televisão. Mas a minha prima ficou louca, deslumbrada! Desconfio que tenha virado corintiana!”, vibrou a atriz, recomendando a experiência para Barbara Berlusconi. “Ela precisa estar no meio da torcida, abraçada ao povão! Imagine que legal. Mas isso não deve acontecer nunca. No máximo, a Barbara assistirá ao jogo do camarote, toda bonitinha. Não é a mesma coisa. Estar com a Fiel é diferente. Existe todo um envolvimento emocional quando você fica no meio do povo. Ela nunca sentirá o que é ser corintiano.”

Uma cantada mais intensa
Barbara Berlusconi realmente passará a maior parte do tempo distante do Pacaembu e de seu namorado corintiano. A dirigente do Milan deverá assistir a mais jogos no Estádio San Siro, sentada em uma área reservada ao lado do pai, do que na capital paulista em 2013. “Mas ela vai ter que segurar a batata quente em Milão, pois o Pato ficará soltinho aqui!”, alertou Lívia Andrade, agora na condição de conselheira amorosa. “Não acredito em relacionamento à distância. Se a Barbara realmente não vier para cá, ela dará oportunidade para o Pato estar aberto a novas pessoas e sentimentos. Carência é algo complicado. Quando você está carente, não precisa nem se apaixonar para se deixar levar. Se alguém dá um carinho maior, você já se encanta.”

Fernando Dantas/Gazeta Press
Lívia distribui beijos no distintivo corintiano, mas não se encanta por jogadores
Nem mesmo o fato de Alexandre Pato ser capaz de “horrorizar” Lívia com sua fisionomia diminui o receio da modelo com uma eventual traição em São Paulo. “Os homens, principalmente aqueles com dinheiro, como os jogadores de futebol, estão ficando mais vaidosos. E a verdade é que muitas mulheres acham lindo um atleta com grana no bolso! O acesso à mulherada é tão facilitado que eles se empolgam e até se acham bonitos!”, gargalhou a modelo, ressalvando que o novo atacante corintiano não é capaz de competir com Barbara em fortuna. “O Pato ficou popular para o público geral por causa da Sthefany Brito e agora da Berlusconi. Elas são mais famosas do que ele. E, com tantas celebridades envolvidas, a mídia inevitavelmente levantará alguns bochichos”, previu.

Presente em muitos eventos promovidos pela diretoria do Corinthians, Lívia Andrade está habituada a conviver com jogadores mais e menos vaidosos. “Mas os atletas corintianos sempre foram muito educados e tranquilos comigo. Ninguém passa dos limites”, ressalvou. Nos tempos em que dançava de biquíni como assistente de palco de Sérgio Mallandro, ao contrário, houve “uma cantada mais intensa” de um jogador misterioso. “Eu tinha uns 17, 18 anos, e ele conseguiu o meu telefone e ficava ligando direto. Não gostei! O cara não era do Corinthians. Estou falando de alguém bem, bem, bem conhecido, que já namorou várias famosas. Não posso revelar o nome para não ficar chato. Mas o importante é que não me ligo em jogador de futebol. Não é o meu perfil. Sou torcedora, e não maria-chuteira!”, diferenciou.

‘Louca’ por Ronaldo
Se o dever manda, Lívia Andrade não se incomoda em mudar de postura e assediar ídolos tão famosos quanto aquele que a paquerava mais de uma década atrás. Acompanhada do apresentador Silvio Santos, em 2009, ela se comportou com uma verdadeira maria-chuteira quando o programa dominical do dono do SBT contou com Ronaldo como convidado – na época, o Grupo Silvio Santos patrocinava o Corinthians. A ruiva teve uma atuação tão performática que impressionou profissionais de outras emissoras. “Quem é esta louca com o Silvio Santos? VPP: vergonha pela pessoa”, chegou a comentar o apresentador Luciano Huck, pelo Twitter. “Esta louca quer dar um trato no patrão!”, completou o global, amigo do Fenômeno.

Divulgação
Integrante do bando de loucos, Lívia foi criticada por Luciano Huck pela atuação chamativa com Ronaldo
“Nem tenho esse fanatismo pelo Ronaldo, mas vesti a personagem da tiete naquele dia. Jamais tietaria o Ronaldo em outra circunstância. Até admiro o trabalho dele, mas só fiz aquilo tudo porque estávamos gravando. Depois do programa, pedi desculpas e expliquei que estava brincando. O Ronaldo falou para eu ficar tranquila, disse que entendia a situação e ficou nisso, até porque ele é muito discreto nos bastidores”, justificou a “louca” Lívia Andrade. “Para falar a verdade, nem esperava ser convocada a participar do quadro com o Ronaldo. Já tinha saído do palco e estava indo embora quando o Silvio mandou me chamarem. De repente, ele falou para eu ficar à frente de um painel com uma brincadeira que eu nem sabia qual era. Tive que me virar! Apesar de o programa ser gravado, o Silvio não gosta que a gente pare em nenhum momento. Consegui me sair bem, não é? E, nossa, o Silvio Santos queria muito que o Ronaldo fosse lá!”, acrescentou.

Querendo apagar de vez a imagem de tiete do convidado de Silvio Santos, Lívia não titubeou ao responder sobre o melhor Ronaldo que o Corinthians já teve. “O Ronaldo goleiro! Com certeza absoluta! Ele é o nosso maior Ronaldo!”, bradou, compondo um largo sorriso com os lábios pintados por um batom vermelho. “Tenho uma paixão especial pelo Ronaldo goleiro. O cara estava ali, vivendo o Corinthians de verdade! É gente boa, humilde, maloqueiro! Corintiano mesmo! Mas, tirando um ou outro, não me apego a jogadores. De repente, eles podem ir para o Palmeiras ou para o São Paulo. Basta pagarem mais para isso acontecer. Costumo dizer que o Corinthians é um time em que o povo joga, e não os atletas. Veja o Ronaldo Fenômeno: foi mais uma coisa de marketing”, opinou a torcedora.

Doutor, eu não me engano, o Silvio Santos é corintiano
Para deixar Silvio Santos – e não Ronaldo – apaixonado por seu trabalho, Lívia Andrade assegurou que não faz nenhum marketing pessoal. Ao contrário. A modelo costuma agir como se estivesse no Pacaembu, com naturalidade até em demasia, ao subir no palco do SBT. Não tem receio de chamar o dono da emissora de “veio surdo” e a colega Helen Ganzarolli de “Helen Ganzarrola”, por exemplo.

“O Silvio gosta dessa autenticidade. Ele sabe quem puxa o saco e quem é verdadeiro. Para ele, o mais importante é respeitar o público e mostrar quem realmente você é”, explicou a funcionária, que caiu no gosto do patrão desde uma participação no extinto programa “Qual é a Música?”. Naquela época, a mãe de Lívia chegou a recomendar a compra de uma “roupa especial” para a primeira atuação ao lado do consagrado apresentador. “Mas fui o que eu sou. Depois disso, o Silvio ainda me chamou para fazer a ‘Casa dos Artistas’. Não pude ir por causa do Sérgio Mallandro, com quem eu tinha contrato.” Mallandro contava com a sua própria versão do reality show, a Casa dos Desesperados, que reunia personagens como um travesti, uma garota de programa, um anão, um gago e um sósia de Tim Maia em um apartamento minúsculo equipado com uma piscina de plástico, todos em busca de R$ 1.000 e uma cesta básica.

Divulgação
A atriz caiu nas graças do apresentador Silvio Santos - corintiano, mas "não muito maloqueiro"
Ao lado de Silvio Santos, portanto, Lívia manteve um pouco da ousadia do primeiro programa televisivo de que participara. Ela se soltou ainda mais, com o seu “jeito intenso e corintiano de ser”, depois de brigar com um produtor nos corredores do SBT e precisar ser contida por seguranças. “Aqui é assim, minha filha: ou você usa sainha ou tchau!”, havia dito o desafeto, batendo a porta do camarim, ao saber que a modelo não queria aparecer no ar em trajes mais curtos em uma gincana. “Fui para cima dele! Não me segurei! A partir daquele momento, tinha certeza de que a minha carreira havia acabado. Mas eu não tolerava desrespeito nem quando era mallandrinha e dançava de biquíni. Aceitaria isso agora? Aqui, ó! O sangue subiu e falei um monte. No fim, quem saiu do SBT foi ele. Depois disso, apertei o botãozinho do f...! Falo tudo o que vier à minha cabeça, estando em cena ou não. Liberei geral!”, contou.

A liberdade de Lívia envergonha não somente Luciano Huck, como ocorreu quando Ronaldo foi ao “Programa Silvio Santos”, mas ela própria. A atriz costuma se arrepender “de quase tudo” o que fala no ar. Certa vez, chamada de Lívia Regina (seu nome é composto) como provocação do apresentador, não se intimidou e balbuciou várias vezes “vá tomar no c...” para as câmeras. A complacência de um corintiano Silvio Santos permitiu que o público assistisse à cena. “Você acha que ele deixaria alguém cortar aquilo? Ele não cortou nada nem quando ficou de cueca para fora! Dizem que o Silvio está mais safado, mas ele acompanhou a evolução do mundo. Não é à toa que torce pelo Corinthians. O Silvio pode até não ser muito maloqueiro, mas ele tem essa coisa do popular, das massas. Isso é dele. Ele se contagiou por isso. É uma pessoa extrema, diferente, louca em alguns sentidos... É Silvio Santos! É Corinthians!”, equiparou, orgulhosa por trabalhar com o “ídolo” que já cantou o amor pelo clube com os versos “Doutor, eu não me engano/ Meu coração é corintiano”.

Mallandrinha vestiu e pisou na camisa no Palmeiras
Alguns anos atrás, entretanto, Lívia Andrade não gozava da mesma empatia com outro apresentador. Sérgio Mallandro, na TV Gazeta, proporcionou a maior decepção da carreira da atriz – ela seguiu o exemplo dos jogadores que se transferem para rivais por dinheiro, na “Festa do Mallandro”. “O Sérgio sabia do meu amor pelo Corinthians e, na condição de chefe, fez uma grande provocação para mim. Ele me obrigou a jogar futebol no gel com a camisa do Palmeiras! Deu a maior confusão. O Sérgio ainda fingia que estava bravo – porque ele nunca fica bravo de verdade – e falava que me mandaria embora se eu não vestisse o uniforme! Trabalhar com ele é complicado, pois o Mallandro está sempre brincando, fazendo pegadinhas”, lamentou a “vítima”.

LÍVIA ANDRADE JÁ REBOLOU COM A CAMISA DO PALMEIRAS

Clássico paulista no futebol no gel teve comentários de Chico Lang e Roberto Avallone


Ameaçada de demissão, Lívia disse ter chorado ao se vestir de palmeirense para jogar futebol no gel com outras mallandrinhas. “Fiz questão de pisar naquela camisa quando tirei do corpo! Foi horrível. Eu só tinha 17 anos e vesti o uniforme do Palmeiras para não perder o emprego. Mas sou mais corintiana do que muita gente uniformizada. Hoje, tenho a opção de escolher o que quero ou não para a minha carreira. Naquela época, não dava. Só que me vinguei do Mallandro em vários sentidos! Depois de tanto problema, tanta intriga, tanta provocação, eu saí mesmo do programa. Tchau para ele!”, lembrou. Ex-jogador das categorias de base do Fluminense, seu time de coração, Sérgio Mallandro curiosamente adotou o Corinthians de Lívia Andrade para apoiar em São Paulo.

Na Vila Belmiro, de calcinha do Corinthians
Lívia já evita correr o risco de ser alvo de “pegadinhas”, sejam de Sérgio Mallandro ou de Silvio Santos. Em outubro do ano passado, a atriz se preveniu para gravar cenas de “Carrossel” na Vila Belmiro. “Entrei em território inimigo, mas fui vestida de Corinthians dos pés à cabeça! Até a minha calcinha era do Timão!”, recordou. A atitude causou desconforto entre os santistas que estavam no estádio, e Reynaldo Boury, diretor da novela, chegou a pedir para a funcionária trocar de roupa. “Eu teria que ficar pelada, pois estava completamente vestida de Corinthians!”, ela gargalhou. No fim, o constrangimento foi resolvido não com a nudez, mas com um roupão, que tapou os paramentos da corintiana. “Prevaleceu a minha vontade!”, comemorou.

Reprodução/Twitter
A modelo fez questão de externar o amor pelo Corinthians até no crachá quando pisou na Vila
O que não falta a Lívia são adereços para externar o seu amor pelo Corinthians. Ao conceder esta entrevista, ela recusou qualquer auxílio da reportagem no momento de se caracterizar para as fotografias. Fez questão de trazer a sua própria bandeira, “que é muito especial”, e uma faixa com o lema “Jogai por nós”. Ainda beijou diversas vezes o escudo corintiano. Em casa, a atriz ainda guarda “almofada, travesseiro, ursinho, boneco e até um enxovalzinho de bebê do Corinthians”, apesar de não ter filhos. “É impossível nascer um palmeirense na minha família! Impossível! Im-pos-sí-vel! Só se ele vier muito virado no Jiraiya e quiser acabar com a paz da família!”, brincou, voltando a se lembrar de Barbara Berlusconi. “Se quiser ser maloqueira também, ela poderia fazer como eu e dispensar algumas lojas: sempre que paro no farol e vejo alguma coisa diferente do Corinthians, compro!”, contou.

Barbaridade no Carnaval
Até o Carnaval, Barbara terá uma grande oportunidade de se aproximar um pouco mais do estilo de vida da maloqueira. “Ela deveria ir a um ensaio de escola de samba!”, recomendou Lívia, sem citar especificamente a Gaviões da Fiel. A modelo parou de desfilar na agremiação corintiana em 2010, quando ficou magoada por perder o posto de madrinha da bateria para Sabrina Sato. Recentemente, foi chamada à quadra para receber uma homenagem, porém alegou ter compromissos profissionais para recusar o convite. “Eu me sentiria desconfortável lá. As pessoas com quem discuti até já saíram, mas é difícil como um fim de relacionamento. Eu amava estar ali naquela quadra e sentir a energia que emanava de todos. Por eu estar lá fazia uns dez anos, eles poderiam ter me explicado certas coisas, pô! Fiquei sabendo por meio de terceiros, e em cima da hora! Não gostei da falta de consideração. Não dá para ser mandada embora sem aviso prévio. Eles quebraram a corrente de repente! Quando fui questionar, aconteceu aquela discussão toda, até pela intensidade que nós, corintianos, temos”, disse.

AFP
Esta foi a última aparição de Lívia como rainha da Gaviões; no ano seguinte, foi substituída por Sabrina Sato
O desentendimento na Gaviões da Fiel não abalou completamente a ligação de Lívia com a organizada. Ainda com um gavião e o escudo corintiano tatuados na nuca, ela se permitiu exaltar a torcida na hora de dar seus últimos conselhos a Barbara Berlusconi. “Se o Pato fizer sucesso, ela deve ir se divertir em uma comemoração de título na quadra ou até mesmo no Parque São Jorge. E não precisa nem viajar para se emocionar com os corintianos no Brasil. Dá para ficar no meio da torcida já no aeroporto quando houver uma festa parecida com aquela que fizemos na despedida dos jogadores para o Mundial”, comentou, com a experiência de quem já contou com a ajuda de um mutirão de torcedores para atrasar um voo e poder embarcar para Recife, onde viu a final da Copa do Brasil de 2008, contra o Sport. Feitos como esse são dignos de uma corintiana legítima, criada na laje à base de churrasquinhos de gato. A atriz concordou com a análise com um piscar de olho que cativaria até os mais bárbaros. Ou “horrorosos”, como Alexandre Pato. “O Corinthians vai acabar rolando para ele e sua namorada também”, esperançou-se finalmente a maloqueira.

*Colaborou Bruno Ceccon

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade