Tênis/Aberto do Brasil - ( - Atualizado )

Bellucci vislumbra duelo com Nadal na semi e técnico projeta vitória

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

Principal esperança local no Aberto do Brasil, Thomaz Bellucci vislumbra a possibilidade de enfrentar Rafael Nadal na semifinal do torneio disputado no Ginásio do Ibirapuera a partir desta segunda-feira. O técnico Daniel Orsanic, por sua vez, sonha com a vitória sobre o espanhol.

“Seria um momento muito especial na minha carreira. Tive a oportunidade de fazer uma exibição com o Federer aqui no ano passado e enfrentar o Nadal dentro de casa agora seria uma sensação muito especial. Tomara que eu consiga avançar jogo a jogo para tentar encontrá-lo na semifinal”, afirmou o tenista.

Cabeça de chave número 5, ele estreia contra o qualifier Guilherme Clezar. Já Rafael Nadal, principal favorito ao título, entra diretamente na segunda rodada diante de Ruben Ramirez Hidalgo ou João 'Feijão' Souza. Pelo sorteio da chave, Bellucci e o astro espanhol podem se encontrar apenas em uma eventual semi.

Vice-campeão das chaves de simples e duplas no ATP 250 de Viña del Mar, Nadal voltou ao circuito na semana passada após uma longa pausa em função de problemas no joelho – ele não jogava desde a eliminação em Wimbledon-2012. Para Bellucci, a campanha do espanhol no Chile não foi surpresa, apesar do tempo de inatividade.

“Se não estivesse 100%, o Nadal não teria voltado. Às vezes, ele ganha os jogos com muita facilidade. Mesmo sem ritmo, vai sempre ser favorito quando entrar na quadra contra qualquer jogador. É excepcional no saibro, o melhor que eu já vi nesse piso”, elogiou Bellucci.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Thomaz Bellucci treina sob o comando de Daniel Orsanic: o brasileiro pode encontrar Rafael Nadal na semifinal
O brasileiro foi derrotado por Nadal sem vencer sets em Wimbledon-2012 e nas edições de 2010 e 2008 de Roland Garros. Ainda que a presença do astro espanhol implique no aumento do grau de dificuldade do torneio, Bellucci a aprova.

“A vinda do Nadal traz muitas coisas boas, porque bastante gente acaba acompanhando mais o tênis e prestigiando o evento. Isso é bom para o esporte e para os praticantes. Além disso, se eu quiser avançar na chave e fazer um bom ano, tenho que jogar contra adversários desse nível”, afirmou.

Assim como seu pupilo, o técnico Daniel Orsanic, otimista, aprova a presença do espanhol. “Tanto a vinda do Federer no final de 2012 quanto a do Nadal agora é algo histórico para o Brasil. É um privilégio, uma honra e é preciso desfrutá-la. Obviamente, eu desfrutaria muito mais se o Thomaz ganhasse do Nadal”, declarou.

Além do astro, há outros nomes de peso na edição de 2013 do evento, como o também espanhol Nicolas Almagro, tricampeão do torneio, e o argentino Juan Monaco, lembrou Bellucci. “Desde que comecei a disputar o Aberto do Brasil, em 2008, esse é o ano mais competitivo. Então, vai ser complicado”, declarou.

 

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade