Futebol/Copa 2014 - ( )

Jogadores do Brasil encaram terceiro lugar como questão de honra

Helder Júnior, enviado especial Belo Horizonte (MG)

A Copa do Mundo não acabou para a Seleção Brasileira com a vexatória derrota por 7 a 1 para a Alemanha, na terça-feira, no Mineirão. Os comandados de Luiz Felipe Scolari ainda terão pela frente a disputa pelo terceiro lugar contra o perdedor do confronto entre Holanda e Argentina. Será na tarde de sábado, no Mané Garrincha.

“Nem tudo acontece como a gente quer, mas sabemos que ainda há Copa para jogar. Precisamos levantar as nossas cabeças e pensar sempre no melhor para os torcedores”, discursou o atacante Hulk, concordando que o terceiro lugar virou “questão de honra”. “Sim, sim”, assentiu.

Contestado em sua participação na Copa do Mundo do Brasil, Hulk tem a esperança de mostrar um pouco mais de serviço no fim de semana. Ele sonha com a possibilidade de seguir na Seleção e encontrar a sua redenção nos próximos anos.

“Tentamos de todos os jeitos contra a Alemanha, mas deu tudo certo para eles. Em poucos minutos, tomamos quatro gols e tudo ficou complicado. Mas o nosso trabalho não acabou. Quero conquistar títulos importantes para a Seleção Brasileira”, avisou Hulk.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Jogadores pretendem amenizar o sofrimento da torcida com uma despedida digna da Copa do Mundo
Embora todo o elenco concorde em encarar o jogo pelo terceiro lugar com seriedade, boa parte já se conscientizou de que não terá sequência na Seleção. É o caso do lateral direito Maicon, que está com 32 anos e em final de carreira.

“Assim como disse o Felipão, é o pior dia da minha vida. Sei o quanto trabalhei para chegar aqui. Mas a vida não permite lamentações”, discursou Maicon, tentando fazer média com o público brasileiro. “Eles têm todo o direito de ficarem chateados. Da nossa parte, só agradecemos por abraçarem a Seleção. É vida que segue. Daqui a quatro anos, teremos outra Copa pela frente”, vislumbrou.