Futebol - ( )

Dirigente do Timão pede que atletas esqueçam arbitragem e foquem jogo

São Paulo (SP)

Arbitragem e Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) têm sido temas recorrentes no Corinthians. Terminada a derrota para o Bragantino, na última quarta-feira, quando os assuntos voltaram à tona com força, o gerente de futebol do clube, Edu Gaspar, falou com o técnico Mano Menezes e com alguns jogadores.

“Conversei com o Mano, foi um papo bem bacana. Falamos com os atletas também. Que tenham o foco 90 minutos no jogo e esqueçam a arbitragem. É dedicar todas as forças ao jogo e esquecer esses outros temas, que desgastam muito”, afirmou o dirigente.

“Estamos falando muito sobre tudo isso. Tem uma coisinha nova toda hora, sempre aparece algo. Temos um tema que é muito mais legal: o jogo, a parte tática, quem jogou bem, quem não jogou bem. Vamos voltar à essência e buscar os nossos objetivos”, acrescentou Edu.

Mano vê uma perseguição da arbitragem ao Corinthians desde que Petros se chocou com o árbitro Raphael Claus no clássico contra o Santos, no último dia 10. O meia foi considerado culpado de agressão, embora a pena de 180 dias esteja suspensa até o julgamento em segunda instância.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Mano Menezes viu o Corinthians prejudicado em três dos quatro jogos desde o caso Petros
Na derrota por 1 a 0 para o Bragantino, os corintianos apontaram irregularidade no gol e reclamaram muito de Leandro Bizzio Marinho. E o caso Petros foi recordado por causa de uma trombada de Guerrero no árbitro. A ligação entre os ocorridos causou irritação geral no clube.

Há o temor de que o peruano seja também denunciado por agressão. Isso já aconteceu com Renato Augusto, a ser julgado por ter acertado o rosto de Léo Gago, do Bahia, no último dia 6 – antes, portanto, do caso Petros, já julgado em primeira instância. Expulso contra o Goiás, na semana passada, Mano também será julgado, por “ofensa a honra”.

“Faz quanto tempo que jogamos contra o Bahia? Depois de tanto tempo, em relação a algo que o juiz nem colocou na súmula, acontece isso. Temos dois juízes. Um, em campo, faz a súmula. Depois, o editor da televisão fala: ‘Pega essa imagem’. Aí, outro juiz vai julgar de novo”, reclamou Edu.

Feita a reclamação, o gerente de futebol voltou a pedir que o assunto seja minimizado e disse preferir não acreditar em um complô contra o Corinthians. “Eu não gostaria de pensar dessa maneira, porque seria o fim do futebol. Gostaria de achar que é uma fase que está passando.”